GÊNEROS TEXTUAIS / TIPOS TEXTUAIS

GÊNEROS TEXTUAIS / TIPOS TEXTUAIS

 

PROFESSORA: FÁTIMA GLÁUCIA SANTOS

COORDENADORA PEDAGÓGICA: MARIA SOARES

TUTORA: GERALDA ANDRIOLA

   

 

Apresentação

 

É com muita satisfação que apresentamos este relato com objetivo de desempenhar o papel de fundamental importância na aprendizagem e na formação social do educando.

Com o curso Pró-Letramento podemos transformar prática de leituras e escrita buscando trocar idéias, estudar, ouvir e contar histórias, ler textos bem legais e belas imagens, brincar de teatro, pesquisar, contos, correspondências, adivinhações, poesias, poemas, música e construir.

É ainda mais ... prazeroso ampliar a qualidade de ensinar a ler que vai muito além de ensinar decodificar palavra em um texto. A oralidade leva o indivíduo ingressar no mundo letrado no processo de cidadania e integrar a sociedade como ser participativo e atuante.

Assim, o trabalho com Gêneros Textuais / Tipos Textuais compartilha junto com vocês as reflexões, experiências e conhecimento do nosso sistema de leitura-escrita. Enfim, brincando se aprende.

1 Caracterização da Escola e da Turma

 

Este relato foi realizado na Unidade de Ensino Manoel Félix Marinho que foi criada no ano de 1970. A escola tem 02 banheiros, 01 sala, 01 cozinha com uma pequena área de lazer. Funciona com 02 professores, 01 ASG no horário matutino e vespertino. Eu realizo o meu trabalho no horário vespertino.

Este trabalho realizou-se no período de 15 dias. A turma é multisseriado do 3º ano, 4º ano e 5º ano que consta com 13 alunos na faixa etária de 08 anos a 20 anos, sendo 10 meninas e 03 meninos. Por isso, nosso objetivo foi criar uma ação de conhecimentos da leitura e a escrita, possibilitando uma função social da mesma que será mais evidenciada, ensejando situações de auto-estima e da confiança em sua capacidade de aprender, produzir e a pesquisar os diversos tipos de textos.

 

2 Fundamentos Teóricos

 

Concordamos com alguns teóricos que afirmam ser um falso problema a discussão em torno da necessidade de ensinar a ler e a escrever. A questão real e o quê, para quê e como ensiná-la.

Existem educadores que defendem no ensino funções sociais da escrita. Para isso, é necessário que a relação com a prática de oralidade e a escrita de produção textual, dentro de uma organização linear, clássica recheada de exercícios de reflexão sobre o funcionamento da oralidade integra as habilidades de ler e escrever em praticar formas diferenciais em cada uso real da língua falada, de importância tão fundamental na vida cotidiana das pessoas, dos cidadãos, aptos a participar plenamente da sociedade em que vivem. Começar permear o diálogo entre o cidadão e um meio sociocultural. E com essa versão a formação educacional escolar tem um papel mediador de construir um conhecimento mais elaborado e significativo da realidade que o aluno está aprendendo a fazer algo que encontra ao seu alcance ou distante de suas reais possibilidades; se tem condições de avançar mais e através da oralidade de expressar linguisticamente o seu lógico-linguístico, musical, cinestésico-corporal, e que há sempre o predomínio de umas sobre as outras.

Segundo Bakhtin,

 

“Um texto vive unicamente se está em contato com outro texto, daí a importância de desenvolver, no dia-a-dia de sala de aula, práticas intertextuais e dialógicas como já foi dito anteriormente. Os textos como registram os PCNs, estão em constante e contínua relação uns com os outros”.  

 

Concluindo, com muitos teóricos da Língua Portuguesa o sujeito que utiliza a oralidade não é um ser passivo, mas alguém que interfere na constituição do significado do ato comunicativo. Portanto, há uma relação intrínseca entre  lingüístico e o social que precisa ser considerado no estudo da língua. Por isso, que toda construção cultural que tem um significado constituído a partir de um sistema de códigos e convenções pode ser chamada de “textuais”.

 

3 Descrição da Experiência

 

A iniciação do Pró-Letramento articulou momentos de reflexões sobre o que aconteceu em nosso espaço de sala de aula, que contribuíram para que novos saberes fossem sendo construídos no grupo, hoje, colaborou para o nosso conhecimento a necessidade de vivência, as relações sócio-afetivas, na linguagem oral e escrita, enfim, nos aspectos físicos, emocionais e intelectuais.

A elaboração e a execução do Pró-Letramento transformou o educador de ser passivo em ser ativo, que concebe, prepara e executa seu próprio trabalho a partir das modificações da realidade concreta, buscando sempre melhores condições para seu personagem principal – aluno.

As aulas que a tutora transmitiu de forma prática, lúdica e prazerosa com textos transformadores e que era compartilhado com os educandos em sala de aula que trouxe experiências como incentivar os nossos alunos a ler o texto compartilhando sua leitura com os colegas, como também lê suas produções de textos.

 

Para Paulo Freire, ato de ler e escrever não se restringe apenas a compreensão do código, mais tomada de consciência da realidade e a libertação do estado de passividade, alienação, para um estado de participação na transformação da sociedade. (4ª ed., 1981)

 

O curso oportunizou trocas de idéias com os colegas e outro elemento significativo do processo de composição da linguagem de textos. Por isso trabalhamos em grupo por meio dessa prática, além de ampliar o seu universo de idéias, trazendo para os nossos alunos a chance de desenvolver textos em prosa, em verso, pesquisas informáticas, confecção de livros criados pelos alunos, histórias em quadrinhos, apresentação de teatro, dirigidos aos públicos distintos, como colegas de classe ou alunos do turno da manhã, o estudo da gramática e ortografia, etc.

É importante ressaltar que o Pró-Letramento teve o objetivo de auxiliar aos educadores da educação como desenvolver a oralidade juntamente com a escrita, a aprendizagem, leituras diversificadas na Língua Portuguesa. Portanto, o professor, a importância de sua interferência em todo esse processo é indispensável.

 

4 Objetivo Didático

 

Ø   Criar condições para que o aluno desenvolva sua competência comunicativa, discursiva, sua capacidade de utilizar a língua de modo variado e adequado ao contexto, às diferentes situações e práticas sociais, interessando-se em ampliar seus recursos expressivos, seu domínio da língua padrão em sua modalidade oral e escrita;

Ø     Demonstrar interesse pela leitura e familiarizar-se com diferentes gêneros de texto;

Ø   Produzir diferentes tipos de textos orais e escritos, considerando a situação de uso e refletir criticamente a respeito dessa prática da linguagem.

 

5 Etapas de Execução

 

5.1 1ª Etapa: Música

 

A partir dessa execução dos trabalhos seguiu-se em seqüência de atividades por meio de Gêneros Textuais / Tipos de Textuais através do conhecimento prévio que elaborei para eles os tipos de textos. Fiz um tipo de jogo lotérico que eles escolher-se os textos para ser trabalhado na 1ª e 2ª semana.

No dia seguinte trouxe uma música que falasse sobre um assunto que estava trabalhando para dar continuidade no bimestre. Assim, fiz uma breve leitura expressiva, adequado tom de voz do texto: Planeta Água. Depois coloquei um DVD para eles assistirem e ouvirem, após ter visto questionei várias perguntas sobre o que eles entenderam sobre a música. Seus entendimentos foram de acordo com o texto, levando a compreensão a realidade da vida contínua deles. Continuei o trabalho no segundo horário com o texto escrito, o qual tirei a xerox e entreguei a cada um. Pedi que lê-se silenciosamente. Depois fiz uma leitura compartilhada, após a leitura perguntei se tinham encontrado palavra desconhecida, os mesmos disseram que tinham. Como fazer com palavras que não conhecemos? Eles responderam – Devemos procurar no dicionário, assim foi realizado o trabalho.

No outro dia levei um cartaz com texto “Planeta Água” para trabalhar a pontuação. Recolhi o texto que tinha dado na aula anterior. Além de promover o desenvolvimento da expressão oral (boa dicção, pronúncia correta, ritmo e entonação adequada) a leitura oral contribui para o desenvolvimento da capacidade de ouvir com compreensão. Por isso atividade da leitura oral feita por alunos, nesta atividade foi visto a pontuação da leitura. Então foram colocando os sinais de pontuação na leitura, com finalidade de lerem o texto com uma linguagem correta.

Essa outra atividade visa desenvolver a imaginação criadora partindo da interpretação expressiva que a música “Aquarela”, onde explorei a melodia, interprete e leitura de imagem. Pedi que desenhasse o que eles tinham compreendido. Portanto, a interação do professor/aluno foi recíprocas com influência reflexiva na atividade de modo produtivo na própria linguagem voltada para a área afetiva, são de extrema importância para o ajustamento e o bem-estar emocional da criança.

 

5.2 2ª Etapa: Poema

 

Através da abordagem do tema antecipei informações contidas no contexto dos alunos.     

Apresentei um poema “ABC do Nordeste Flagelado”; do poeta cearense Patativa do Assaré. Contei sua história, fazendo pequenos comentários que ele é um poeta de improviso, ficaram muito curiosos. Então escrevi a palavra “repente” e pedi que procurasse no dicionário o significado da palavra. Depois escrevi na lousa um poema, li junto com os alunos os trechos do poema “ABC do Nordeste Flagelado”. Ainda mostrei aos alunos como o poeta brinca com as palavras, buscando musicalidade e fortes imagens do sertão. Convidei os alunos a escreverem poemas utilizando recursos estilísticos típicos da poesia (rima, criação de imagens) que trata episódios reais acontecidos na vida deles (família, comunidade...). Na construção dos poemas, observamos a ortografia através da correção, sorteei alguns poemas fiz juntamente com eles. Depois de ter feito a correção pedi que lesse em voz alta para os demais colegas. Além desse trabalho, houve outros tipos de poemas como eles ficaram bastante interessado por poemas, usei a estratégia de colarem eles para pesquisar em casa outros tipos de poemas, poesia. Na aula seguinte trabalhei estes poemas falando onde é a estrofe e o verso. E interpretar oralmente cada um dos poemas e poesias que eles trouxeram, foi uma aula riquíssima. Eles ainda fizeram a compreensão com imagens, através dos desenhos. Diante das expressões dos alunos sobre os poemas que leram oralmente e, ao mesmo tempo, refletirem o que leia naqueles lindos textos poéticos.

Foi muito bom, interessante e participativo, essa atividade estimulou os alunos a ler mais tipos de textos poéticos com narrativas explícitas onde eles só vem crescendo os seus conhecimentos na leitura e escrita. Como também dramatiza uma poesia que o aluno lê a fala do narrador, o outro lê a fala de Lili e imita os seus gestos e jeito de falar. É importante que os alunos aprendam que a linguagem é o meio de comunicação do ser humano, e é por meio dela que expressam seus desejos, necessidades e opiniões.

 

5.3 3ª Etapa: Leitura Informativa

 

Como estava na semana Folclórica procurei trabalhar de forma agradável.

Dividi em grupos, e convidei que cada um pesquise culturas folclóricas, depois fiz uma leitura sobre Folclore, e se eles conheciam algumas, para fazer um trabalho integrado juntos com eles de acordo seus conhecimentos e gosto literário da criança. Eles usaram a linguagem oral e a escrita para a pesquisa sobre as lendas, adivinhações, provérbios, trava-línguas, origem popular, etc.

Durante a aula promover discussão a respeito das lendas, o incentivo pela leitura oral com os provérbios, adivinhações entre os grupos, dão-se pistas de quem é as adivinhações. Assim essas atividades foram realizadas de acordo com sua criatividade. Cada atividade visa a reflexão sobre os aspectos regrados e não-regrados da escrita da palavra na produção sobre o Folclórico.

No dia seguinte troquei os textos de cada aluno. Partindo dessa atividade o aluno ia lendo o texto do colega em voz alta, fazendo comentário sobre a produção e a escrita. Foi uma forma de estratégia para que a construção do texto dos alunos fosse mais enriquecedora, usando a expressão – escrita no exercício da leitura oral, dando oportunidade de conhecer os seus limites da oralidade e expor seus sentimentos, valorização na formação para a cidadania, fazer bonito se estende para além dos limites da escrita.

 

5.4 4ª Etapa: Contando Histórias

 

Resgatei o conhecimento prévio que os alunos tem sobre histórias, inicialmente tive uma conversa informal com os alunos sobre o que eles já leram ou ouviram sobre histórias infantis, contos e fábulas. Fiz uma caixa surpresa, que dentro dela tinha várias histórias para ser contadas, a que fosse tirando de dentro da caixa a professora ia ler em voz alta dramatizando cada voz dos personagens. Você já percebeu que podemos falar de maneiras tão diferentes, que tal bate-papo sobre que você ouviram.  

Agora vamos colocar em prática o que foi adquirido neste início desta aula, vocês vão escolher uma história, conto, fábula e vão ler, depois transformar em história de quadrinhos usando os personagens da sala de aula, que são os seus colegas. A partir dessa vivência, das situações concretas vocês vão criar, representar, pintar, escrever, falar, desenhar. Com uso adequado da gramática, uso da pontuação, o emprego da letra maiúscula, da acentuação, do singular/plural das palavras e a coerência do texto ao observar esses itens na construção da história em quadrinhos que eles desenvolveram a prática da correção de algumas palavras que eles utilizavam bastante. Com a construção de textos orais e escritos eles foram se auto-avaliando.

A outra atividade neste contexto foi a construção de livro. Em seguida apresentei livros de qualidade e que façam sentido para eles. A intenção é contribuir para fazer um ato de ler uma prática permanente para construção do pensamento-lógico e a escrita. Após uso desse procedimento incentivei que o s alunos produzissem o seu livro individualmente.

Todos construir seu livro expressando suas idéias pelas personagens construídas na sua obra. Depois todos apresentaram os resultados dos contos, histórias e fábulas com características dos gêneros textuais orais e escritos para os participantes da escola e comunidade, os mesmos convidaram os alunos do turno matutino para ouvir suas lindas histórias.

O objetivo dessa atividade consiste na oralidade e a escrita para auxiliar bastante a formação da imagem mental das palavras, esperando que o aluno amplie seu conhecimento na ortografia e gramática, tomando como ponto de partida as produções escritas, consciente das diferenças entre a fala e a escrita.

Portanto, esta produção textual está sempre relacionada ao processo de ensino-aprendizagem, os conteúdos atitudinais, comportamento éticos como respeito e solidariedade por meio da prática da leitura oral e escrita.

 6 .Considerações

 

O trabalho referente ao relato que propiciou uma realidade de informações e vivências da escola e do mundo nas atividades dos níveis iniciais do Ensino Fundamental que o Pró-Letramento trouxe de basamento no processo do curso. Daí a importância do “letramento” que contribui a ensinar a decodificar e/ou produzir o código lingüístico.

Esses tipos de leituras tem como finalidade, portanto, estimular os alunos a ler o conteúdo dos textos e a buscar os seus significados; a diferenciar os diferentes gêneros textuais, discursivos e levantar hipóteses sobre os textos lidos mediante seus conhecimentos prévios, levando a construir efetivamente um caminho sólido que o levará à compreensão de um texto.

 

Referências

 

Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa, Brasília, MEC/SEF, 1997, v. 2, p. 26.

 

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 4ª ed. São Paulo, Cortez, 1981.

 

Pró-Letramento: Programa de formação continuada de professores dos Anos/Séries iniciais do Ensino Fundamental: alfabetização e linguagem – ed. Ver. E ampl. Incluindo SAEB / Prova Brasil matriz de referência / secretaria de Educação Básica – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação. 2007. 364 p.

 

MEC, Secretaria de Educação Fundamental, Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. v. 2. Brasília, DF. 1997. p. 53. (SAEB – Prova Brasil – A Matriz de Língua Portuguesa, p. 6).   

 

 

 

 

 

projeto de textos

sábado 27 setembro 2008 11:27 , em PROJETOS E ARTIGOS PEDAGÓGICOS



Nenhum comentário GÊNEROS TEXTUAIS / TIPOS TEXTUAIS



Seu comentário :

(Opcional)

(Opcional)

error

Importante: comentários racistas, insultas, etc. são proibidos nesse site.Caso um usuário preste queixa, usaremos o seu endereço IP (54.89.36.189) para se identificar     



Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para mariadantas

Precisa estar conectado para adicionar mariadantas para os seus amigos

 
Criar um blog